Beth Nazar

Beth Nazar
Crédito: Maristela Martins
Beth Nazar resgatou sua paixão pela música dos tempos da Faculdade, onde cursou Direito. Na época, ela começou a viver as pressões políticas e as atuações dos Movimentos Estudantis de 1965. Neste período, foi criado o Teatro Tuca e escolhido para ser montada a peça " Morte e Vida Severina" de João Cabral de Melo Neto. Para preparar as canções foi convidado um jovem estudante de arquitetura chamado Francisco Buarque de Hollanda. Vários testes foram feitos entre os estudantes e Beth Nazar foi uma das escolhidas para integrar o elenco da peça. Depois desse trabalho, ela ainda participou de "O&A" de Roberto Freire e Chico Buarque e "Evangelho Segundo Zebedeu" de Idebal Piveta e Murilo Alvarenga com o Teatro do Onze. Porém, os compromissos com a carreira jurídica fizeram com que Beth deixasse as atividades artísticas. Especializou-se em Direito Tributário, foi Diretora da Faculdade de Direito da PUC de São Paulo e hoje é Diretora do Centro de Ciências Jurídicas, Econômicas e Administrativas da PUC de São Paulo. Ela retoma agora a trajetória artística mostrando seu talento neste trabalho: o CD "Dia a Dia".