Carmina Juarez

Carmina Juarez
Crédito: Gil Grossi
Graças à sua voz afinada e cristalina, Carmina foi chamada de "rouxinol" (Correio Popular, Campinas SP, 6 de novembro) quando, em 1993, apresentou seu primeiro CD - Arrasta a sandália. Desde então, ela vem fundindo os muitos fatores que a transformaram numa cantora diferenciada. Nascida em São Paulo numa família de músicos, muito nova entrou em contato com diversificados estilos musicais. Aos 12 anos, começou a cantar no Coral da Universidade de São Paulo, o mesmo coral onde atualmente trabalha como professora de voz. Dessa experiência vem seu gosto por música antiga e consequente participação num grupo que acaba de gravar o CD Canções Seculares, com peças do repertório renascentista em língua latina. Influentes no desenvolvimento de Carmina foram os estudos guiados por professores brasileiros, americanos e italianos, bem como os cursos que lhe conferiram bacharelado. Também importante é a sua associação com os instrumentistas talentosos e competentes que têm estado ao seu lado nos shows e gravações. O fator mais marcante é, no entanto, a aprofundada pesquisa que ela vem desenvolvendo sobre a música popular brasileira tradicional, um fato claramente revelado nos CDs Arrasta a sandália e Tenho saudade. Em Caruana, seu mais recente trabalho, tendências contemporâneas de música popular, brasileira ou não, aparecem ao lado de canções tradicionais do Brasil.