O ser da tempestade

Intérprete:
Jorge Mautner
Código do CD:
DB0060
Código de barras:
789833903023-1
Ano:
2000
Gênero:
MPB
Obs.:
CD duplo. Interpretações de Gilberto Gil, Caetano Veloso, Gal Costa, Chico Science, Elba Ramalho, entre outros. Disponível apenas para Download.
Compre e baixe no
UOL Megastore
"O SER DA TEMPESTADE", traz dois CDs que representam uma espécie de síntese, partes escolhidas da minha obra musical. Nesta síntese, além de contar com grandes nomes da MPB, apresento uma seleção não apenas como compositor, mas também na condição de cantor e violinista. Não houve preocupação cronológica na escolha das músicas, feitas por mim e pelo incrível Paulo Euzébio Sobrinho, que também é o responsável pela qualidade das masterizações e do produto final deste trabalho. Consta neste álbum duplo a primeira música gravada por mim na RCA Victor no ano de 1965 em um compacto simples e que se chama Não, Não, Não. É bom lembrar que foi este compacto simples juntamente com o meu livro "Vigarista Jorge", prefaciado por Mário Schemberg, que motivaram o meu exílio, pois foram o argumento usado pelas autoridades ditatoriais da época para me colocarem como incurso na Lei de Segurança Nacional, muito antes que este terrível destino se abatesse sobre os demais companheiros e companheiras, artistas e intelectuais de todas as espécies em 1968 após a decretação do AI-5. O título O SER DA TEMPESTADE tem relação com o fato de toda a minha obra musical, literária, filosófica, política e pictórica, referir-se e anunciar desde 1956, data dos meus primeiros escritos e das minhas primeiras canções, até o dia de hoje e até o futuro sem nome, a pregação e a irradiação da Nova Era do Kaos. É como dizia Glauber Rocha, meu grande amigo: "Eu filmo o combate na hora do combate!" e também dizia, porque era muito generoso: "Se eu fosse me definir, eu diria que eu sou do Kaos com K, do Jorge Mautner, isto é, se o Jorge Mautner o permitir". Quem primeiro me lançou no mundo da MPB foi o empresário Moracy Do Val, justamente no ano de 1965, meses antes do meu exílio. Mas dez anos depois, quem definitivamente me lançou nesta querida MPB foram Caetano Veloso e Gilberto Gil, já em Londres, quando no exílio nos encontramos e nos confortamos e fizemos músicas de parceria. É também a extrema generosidade de Caetano e de Gil que os fazem afirmar que eu precedi o movimento tropicalista muitos anos antes que ele viesse a existir. Quero ainda destacar a grande importância, dentro do meu trabalho musical a partir de 1972, da presença de Nelson Jacobina Rocha Pires, instrumentista, arranjador, compositor e amigo com o qual tenho trabalhado pelo mundo e pelo Brasil afora desde então, tendo várias parcerias com ele destaco; dentre elas, só para citar uma delas, a obra-prima Maracatu Atômico". Jorge Mautner O disco 1 traz o próprio Mautner interpretando 17 canções de sua autoria, entre elas Rock Comenda Cereja, Cinco Bombas Atômicas, Samba Jambo, Zona Fantasma e O Boi (parcerias com Jacobina), Samba dos Animais, Cachorro Louco, Matemática do Desejo, Olhar Bestial, Pedra Bruta, Quando a Tarde Vem, Bumba Meu boi de Beijing, Estrela da Noite, Fado do Gatinho, O Relógio Quebrou e Aeroplanos (parceria com Rodolfo Grani Jr). O disco 2 contém os grandes nomes da música brasileira que gravaram Jorge Mautner, como Gilberto Gil (Maracatu Atômico), Gal Costa (Lágrimas Negras), Moraes Moreira (Lenda do Pégaso), Elba Ramalho (Sonho de Uma Noite de Verão), Zé Ramalho (Orquídea Negra), Fagner (O Viajante).